Rolê Cafeína #1 Beluga Café

Bom, quem me conhece das outras redes já sabe que eu não resisto a um cafézinho… Ultimamente tenho me deparado com muitos cafés aqui por São Paulo que, além de servirem cafés deliciosos, ainda são um aconchego só! Decidi fazer um tour por esses cafés pra registrar e dividir com vocês. A lista é grande! Comecei o “Rolê Cafeína” (nome dado pelo Cesinha haha) pelo Beluga, que fica na Vila Buarque. Não me responsabilizo se no final do post vocês estiverem se tremendo de vontade de um lanchinho!

Beluga 01

Rua Doutor Cesário Mota Júnior, 379 – Vila Buarque – São Paulo – SP

Beluga 02

IMG_8641

Meu pedido: um mocha e uma fatia de bolo de limão siciliano com blueberry

O café tem menos de dois anos e é muito simples em todos os aspectos. Poucos funcionários – só dois quando fui. Cardápio enxuto, mas aparentemente todo delicioso – meu bolo tava de comer ajoelhada e agradecendo. O mocha foi especial, recomento que tomem um dia! Tem gosto de chocolate suíço, SÉRIO. Poucas mesas de dois lugares e duas mesas compridas pra ir com mais gente ou simplesmente dividir com desconhecidos.

IMG_8657

IMG_8656

Muita gente vai lá não só pra tomar um café e continuar o dia, apesar do tamanho pequeno, o pessoal gostou de fazer do Beluga um ponto de encontro pra reuniões. Duas estavam rolando quando eu fui. Além dos cafés, eles têm alguns rótulos de cerveja – inclusive japonês, refrigerantes orgânicos, sucos orgânicos e o baer-mate.

IMG_8660

Os cafés são preparados diante dos nossos olhos, mas como eles não têm cozinha, as comidinhas vêm de fornecedores muito bem selecionados pelos sócios (um jornalista e um publicitário). Pretendo voltar muitas vezes ainda, deu vontade de tomar todos os cafés e comer todas as comidinhas, mas tenho uma lista grande pra visitar antes de voltar nele, né? Esse “Rolê Cafeína” promete ir longe…

IMG_8652

Eles têm alguns itens à venda por lá, todos relacionados a café, claro. Cafeteiras, prensas, grãos… Mas o que eu mais queria não estava à venda – claro! – sou boa nisso. Mas já descobri a origem dos vasinhos de concreto que ganharam meu coração (❤ )! São da Gypso e eu vou providenciar um pra mim logo logo haha

IMG_8653 02

Beluga é daqueles lugares que é impossível ir uma vez só…

fotos: César Ovalle

Segue lá também: Instagram | Facebook | Twitter

Festival Path: inovação e criatividade

PATH LOGONesse fim de semana, nos dias 14 e 15 de maio, vai rolar a quarta edição Path (um festival de inovação e criatividade) aqui em São Paulo que tem como objetivo inspirar todas as pessoas interessadas em inovar a forma de pensar e agir. À convite da cerveja Sol, patrocinadora master do evento, vou conferir os dois dias de programação que são mais difíceis de lidar que line-up de festival de música. Por quê? Porque são mais de 300 horas de conteúdo em apenas dois dias, são palestras, rodadas de negócios, shows, feira de Start Ups, feira de robótica, exposição de arte… Praticamente um parque de diversões!

O evento rola no Instituto Tomie Ohtake e nos arredores, no bairro de Pinheiros. As palestras acontecem, além de no Instituto, também no Teatro da Cultura Inglesa, na FNAC, no Museu A CASA, no Lapa 40º e no Centro Cultural Rio Verde. Já os 26 shows, se dividirão em 3 lugares e categorias:

  • Músicos de rua se apresentarão no Palco Sol (Praça dos Omaguás)
  • Som alternativo rolará no Palco Spotify (Praça Prof. Resende Puech)
  • Música contemporânea vai preencher a programação do Palco Principal

Os shows das praças serão gratuitos (\o/)

Continuar lendo

Hariana responde: onde comprou?

Oi, pessoal, boa noite!

Tudo bem? 🙂

Bom, voltando ao “Hariana Responde”, hoje escolhi só algumas fotos do Instagram que me perguntaram onde comprei algo que estava nela, ok? Claro que muita coisa já comprei há mais tempo e vai ser difícil de achar, mas acho que já vale a dica de onde achei, vai que tem coisa nova e bonita também né?

IMG_1772

Começando por essa, nada mais justo, já que essa semana passei inteirinha em função da mudança… Mudar de casa é sempre muito mais trabalhoso do que a gente prevê. Bom, vamos lá:

01. O quadro eu comprei na Urban Arts, pra quem não conhece, a UA é uma galeria digital que trabalha com a arte de mais de 1000 artistas, entre fotógrafos, designers e ilustradores. É muito legal, dá pra viajar por horas no site ou nas lojas físicas. Esse quadro é da artista Desirée Feldmann, comprei na loja da Oscar Freire e pedi uma moldura rococó branca (não sei o nome profissional desse tipo de moldura haha) e em 10 dias fui buscar, é meu xodó! ❤

02. Esse gaveteiro fez o maior sucesso, vocês nem acreditam que ele é do Zaffari! haha sim, comprei no supermercado! Paguei R$ 99,00 nessa fofura que em qualquer loja de decoração mais moderninha seria, no mínimo, o dobro! Até tentei procurar algo parecido na internet pra indicar aqui, mas não encontrei 😦

03. Esse “rack” veio da outra casa, mas na outra casa era uma estante vertical de 6 nichos… Como minha cama é daquelas bem baixinhas tipo japonesas, achei que deitar a estante deixaria o ambiente mais harmonioso e ó: acertei! Comprei na Tok&Stok há uns 2 anos e achei pra vender ainda, aqui ó.

IMG_1778

Nessas duas fotos me perguntaram de onde eram as camisetas. As duas são da mesma marca: Veep. Comprei numa lojinha que esqueci o nome na Rua Augusta aqui em São Paulo, maaas achei as duas aqui na internê! A raglan aqui e a cinza dos Muppets aqui (sim, eu compro camisetas masculinas). Obrigada, por nada.

IMG_1797

A Sandália é da Melissa, modelo flox. Aqui você acha todas as cores, tem também o modelo Melissa Flox de salto alto, mas aí não é minha praia 🙂 me perguntaram se não é desconfortável ou muito pesada. Pra mim ela é MARAVILHOSA! Super confortável, ando horas com ela numa boa…

O vestido da foto é da loja Khelf e como já faz um tempinho considerável que comprei, acho que não vão mais encontrar, mas dá uma olhadinha no site deles, vai que acha algo parecido… E o tênis é o tênisa maaais confortável que já usei na vida! Juro! O modelo é o Roshe Flyknit da Nike, não achei exatamente a mesma cor no site, mas tem outras cores lindas aqui.

IMG_1798

Já falei algumas vezes que sou apaixonada pelo cartunista argentino Ricardo Liniers e todos os personagens da série Macanudo dele, né? Lembram desse post aqui? Eu tenho várias coisas dos personagens deles e toda vez sempre me perguntam onde comprei, pois bem, elas são todas de Buenos Aires 😦 o nome da loja é Monoblock e qualquer fã do Liniers que entra nessa loja SURTA. Se tiver com passagem marcada para Buenos Aires, já coloca como prioridade, se não estiver coloca como prioridade também e vai dando uma olhadinha na loja virtual deles pra sentir um pouquinho do drama que é essa loja. Vontade de comprar tudo!!

IMG_1779

A rasteirinha de oncinha fez o maior sucesso quando postei!! haha eu sou apaixonada por ela assim como sou pela minha Melissa Flox e eu acho muito engraçado que os dois calçados tenham causado tanto frisson porque são justamente os dois calçados do meu guarda-roupa que meu namorado mais abomina! É, gente, mulher não se veste pra homem mesmo, né? Bom, pelo menos eu não. Enfim, eu comprei ela na Dafiti, mas fui procurar e não encontrei mais… Em compensação, achei vários modelos similares por lá e que com certeza vocês vão gostar – eu mesma tive que me controlar pra não comprar mais uma.

A camiseta do Johnny Cash também fez sucesso – amo ele! E pasmem, pessoas, comprei ela na RENNER! Nunca vou entender o que essa camiseta tava fazendo lá, mas eu garanti a minha. As roupas por lá mudam bastante, então realmente não tem mais… Mas é fácil de achar similares. Essa aqui é bem parecida.

O moletom da direita é, obviamente, da Adidas. Perguntaram se vende nas lojas físicas e a resposta é: vende, já vi… Mas comprei o meu pela internet 🙂 quanto ao tênis, poucas mulheres resistem à ele haha é da Vans, cano médio e cheio de margaridas, na lateral tem escrito “he loves me, he loves me not“. Comprei há uns dois anos na Loja Vírus pela internet, mas não tem mais 😦 achei aqui, mas vale dizer que eu nunca ouvi falar nessa loja e nem tenho qualquer referência dela, ok?

IMG_1796

O Timão e o Pumba fizeram sucesso assim como quase todo bonequinho da minha coleção quando posto. A marca deles é FUNKO, a linha é a Pop Vinyl. Eu comprei na Endossa, uma loja colaborativa que fica na Rua Augusta. Aqui em São Paulo, esses bonequinhos de outros personagens podem ser encontrados na Fnac, Livraria Cultura Geek, Loja Coleciona e alguns sites na internet, pra quem tem experiência com o eBay, lá tem muuuitos, mas há sempre o risco de a receita federal taxar aqui na entrada do Brasil 😦

A pantufa eu comprei na Ideal Shop, mas vi lá que não tem mais. No entanto, Hariana aqui achou outros lugares pra vocês comprarem: aqui, aqui e aqui. Nunca comprei em nenhuma das três, não tenho referências, mas um dos critérios que uso quando vou comprar numa loja virtual, é ver se aceita pagamento via PagSeguro e dou uma fuxicada no Facebook pra ver se tem registro de clientes satisfeitos!

Esse post foi grande, né? Espero ter ajudado alguém de alguma forma.

Beijos e uma semana tranquila e leve pra vocês!

Gostou do post? Me ajuda curtindo a página do blog aqui. Obrigada!

The Little Black Jacket

A exposição famosa da Chanel que já passou por NY, Milão, Paris, Londres, Tóquio e mais um monte de outras grandes cidades,  aponta aqui em São Paulo no dia 31 de outubro na Oca do Ibiapuera. São fotos de mais de 100 mulheres posando com o famoso casaqueto da Chanel. O projeto do Karl Lagerfeld tem brasileiras como Laura Neiva e Alice Dellal. Todas as fotos em preto e branco e com mulheres lindas e totalmente diferentes entre si. Um show de bom gosto!

 

 

Marquem na agenda, hein?

 

Sobre viver.

Tem dias que simplesmente são bons, sem motivo algum, são bons. Com motivos até pra serem ruins, são bons. Hoje foi um dia como qualquer outro, acordei cedo, tomei meu café da manhã, fui trabalhar, respondi dezenas de e-mails, atendi outras dezenas de telefonemas, resolvi problemas, substituí o almoço pela manicure, morri de frio no ar condicionado do escritório e às seis da tarde eu estava no ponto de ônibus.

O ônibus demorou bastante, o que fez com que eu pegasse ele absurdamente lotado, o dia inteiro fez 30 graus, no fim da tarde o Sol ainda é alto nessa época do ano e o calor não perdoava. Uma das principais avenidas da cidade que eu preciso passar, lotada e parada como toda sexta-feira, paciência é a palavra de ordem. Encostei em uma porta, tirei meu livro da bolsa e retomei a leitura de onde tinha parado no percurso da ida ao trabalho, não fosse um solavanco que fez as pessoas se amontoarem, eu teria terminado ele. O ônibus bateu em um carro que atravessou na frente, os agentes de trânsito foram acionados, os passageiros deveriam descer do ônibus. Desci, achei desagradável, mas ser o motorista do carro seria pior. Tentando rir da situação, parei no ponto seguinte e esperei o próximo ônibus passar.

Depois de uns 30 minutos de espera, o ônibus chegou e se o anterior já estava lotado, vocês conseguem imaginar como este segundo também estava. Espremida do lado do motorista e depois de pedir pra uma menina levantar pra dar lugar à uma grávida, uma japinha idosa que insistia não precisar sentar, puxou assunto. Ela falou sobre a usina hidrelétrica de Belo Monte, sobre índios, sobre peixes sobre dinheiro, sobre criminalidade, ela só precisava que eu assentisse com a cabeça e falasse umas duas palavras no meio das dela. Era o ponto dela, ela desceu.

Como quem apenas esperava o momento certo, um menino de 11 anos puxou assunto perguntando “tia, quantas capitais você conhece?” Enumerei todas e, pelo sotaque, sabia que não era daqui e resolvi perguntar. O menino pernambucano mora aqui há apenas seis meses em uma família que o adotou e já anda sozinho, me contou sobre as estrelas que não consegue ver na cidade cinza e sobre o sonho de conhecer a neve e a Disney. Aliás, me contou sobre como a Disney é enfeitiçada para que nenhum parque seja melhor, fingi surpresa e senti que ele ficou feliz em ter me contado algo que eu não sabia.

Perto do próximo ponto, vi uma multidão de gente, tentei ir pra perto da catraca, um time de futebol estava prestes a entrar. Agradeci a conversa ao menino e fui me enfiando no meio do pessoal. Chegando perto da catraca, perguntei ao cobrador “vou descer no ponto da ******, daqui fica mais fácil eu pagar e sair pela frente ou tentar descer por trás?”. O cobrador aconselhou seguir e disse que com fé eu chegava na porta, pediu licença por mim pra meia dúzia e eu fui. Nisso uma mulher com 3 colegas disse pra mim “vou grudar em você e vou atrás” e uma outra brincou com a situação gritando “ÁGUA, ÁGUA, DEZ REAIS! BEBE E DEPOIS PAGA!” Lá na frente um senhor que mal tinha os dentes gritava pro pessoal andar pra frente e tentar empurrar com o IMBIGO porque lá perto do motorista estava apertado. Eu cheguei na porta e, poucos minutos depois, o ônibus parou no ponto que eu deveria descer.

Subindo a rua de casa cansada, com as bochechas vermelhas de calor, querendo um banho e uma garrafa de água gelada, eu me peguei feliz e com o humor estranhamente inabalado. E onde eu quero chegar é que brasileiro é um povo demais, que luta, que trabalha, que ganha pouco, mas que não perde o requebrado. Eu acho que todo mundo deveria se misturar algumas vezes nessa vida ao que chamam de povão, dar uma de Regina Casé mesmo, conversar, trocar ideia, ouvir a conversa alheia, pegar um ônibus lotado, rir, fazer piada… É óbvio que eu prefiro um carro com ar condicionado, música boa, cheiro agradável e a mochila no banco do lado ao invés de nas costas te preparando pra uma hérnia, mas ver  (e viver) o mundo real é preciso e, sabendo tirar proveito, é enobrecedor.

Sabem, eu sou uma apaixonada pela França e pela atmosfera parisiense, tive a oportunidade que a minoria tem de ir mais de uma vez e me apaixonar mais ainda, mas ainda que seja verão e os termômetros marquem 30 graus, a cidade é gelada. Já Londres parece cenário de filme a qualquer esquina medíocre, os homens são verdadeiros lords, as mulheres são elegantes, mas é gelado. Assisti à maior covardia da minha vida em um clássico ônibus londrino de dois andares e mais de 20 pessoas, enquanto um homem batia brutal e covardemente em um outro, assistiram imóveis como quem assistisse à um filme. Gelo. É o calor do Brasil que faz com que as pessoas se apaixonem, a compaixão, o espírito rico do povo que luta e acredita que faz com que o Brasil tenha aquilo que todo mundo ama, mas ninguém sabe explicar.

Não, eu não sou uma pessoa super alto astral que nunca reclama e vê o lado bom de tudo nessa vida, eu reclamo, eu sou rabugenta muitas vezes, eu sou muito mais ranzinza que uma pessoa de 24 anos deveria ser, mas hoje eu estou especialmente feliz e absolutamente capaz de assistir o desagradável com bons olhos e resolvi compartilhar. Eu estou feliz e acho que é a felicidade o segredo de tudo, ela é capaz de alterar a ótica das pessoas sobre as coisas. É só ser feliz acima de tudo e o resto todo parece mais doce. Sem querer ser piegas, é isso mesmo. Pode ser que essa minha onda quase hippie acabe amanhã, então achei válido deixar aqui registrado nesse blog o dia em que nada me abalou.

E se você, em um mundo de leitores apenas de títulos e manchetes, leu até o fim, parabéns e muito obrigada.

Um ótimo fim de semana pra todo mundo!

900 é o número.

OK, cada um faz o que quer com o seu dinheiro. OK, essa é uma democracia. OK, ninguém é obrigado a ir em lugar nenhum ou a comprar coisa alguma. OK, cada um no seu quadrado. OK, OK, OK e OK.

Tudo certo, deixando o papo do livre arbítrio de lado, preciso falar. Hoje foi anunciado o valor do ingresso para os 3 dias do festival Lollapalooza, o passe para todos os dias sai a bagatela de R$ 900,00 e a notícia gerou o maior frisson no twitter!

Gente, novecentos reais em três dias de show em um país que tem um salário mínimo de R$ 622,00 é muito difícil de engolir. O post aqui não é pra convencer ninguém de nada, só mesmo pra desabafar, já que os 140 caracteres do twitter não são suficientes.

Acho triste porque é uma grana em que metade dos que vão desembolsar, não trabalha e não tira do próprio bolso, o que dificulta (e muito) a educação financeira do país, uma vez que estes que pegam mil reais dos pais pra ir em um show que nem vão conseguir ver, são os mesmos que amanhã vão estar gastando todo o seu salário em uma bolsa, em um sapato, em nada. Os mesmos que vão abrir crediários pra trocar a geladeira nova por uma mais nova, os que vão pegar empréstimos bancários pra trocar o carro por um 2 anos mais novo. Os mesmos que vão estar presos em uma bola de neve cheia de cifrões e extratos negativos.

Drama? Pode ser. E que seja. O que eu não entendo é a leviandade com que se trata o assunto. Gente, NOVECENTOS REAIS. Novecentos mais o transporte, a alimentação, a roupa da moda nova pra desfilar. Sem falar os milhares que vão vir de fora com hotel, transporte mais caro ainda e tudo o mais. No total, o desembolso é de muito mais de mil reais.

Não tô aqui pra julgar ninguém e concordo que cada um faz o que quiser com o seu dinheiro, mas isso não me impede de achar triste o que cada um quer fazer com o seu dinheiro. Acho tudo super hipócrita porque esses que vão estar fazendo plantão na internet nessa madrugada para garantir seus ingressos, são os mesmos que amanhã vão estar colocando foto de fome na África no Facebook com uma carinha de choro e comentando no twitter como é cruel a condição de vida dos pobres favelados que têm seus barracos incendiados. É a hipocrisia que incomoda.

Quanto às bandas? Realmente muito bem escolhidas, assim como foram as do último, mas a falta de noção foi a grande atração dessa edição.

Sobre mudar…

Pra variar, a inspiração vem de uma foto postada no Instagram. Depois de uma amiga comentar que já havia mudado sete vezes, eu fiz a conta e me deparei com o número 11. Nessa semana estou passando pela minha décima terceira mudança de casa e, então, a Letícia sugeriu o post sobre o assunto. E por que não?

 

Eu, que sou filha de uma gaúcha e um cearense que começaram a vida como casal em Brasília, pareço já ter nascido pra mudar e com o traço já no DNA.

Sou totalmente a favor das mudanças e isso fez parte da minha criação, da minha evolução, da minha formação como pessoa. Não, eu não sou filha de militar, meu pai é empresário, sempre foi. Minha mãe não trabalha fora de casa. As mudanças nunca foram por “motivo maior”, ainda que eu acredite que não há motivo maior que a própria vontade.

Eu, que sou de Porto Alegre, comecei a vida de mudanças aos dois anos de idade quando fui morar em Natal (RN). A mudança seguinte foi depois de um ano e de volta ao RS. Aos 8 anos eu pousava em Fortaleza (CE), onde mudei quatro vezes de apartamento, onde morei 9 anos e onde aprendi muito sobre a vida e sobre respeito, sobre ser humano, onde eu formei meu caráter e onde eu finquei minhas raízes, meu coração é nordestino. Aos 16, voltei ao Sul, mas não desci tudo, paramos em Balneário Camboriú (SC). Longe da cidade grande, perto da praia, de volta ao frio. Em terras catarinenses foram quatro apartamentos, oito anos e também muitos aprendizados. Este ano, aos 24 anos, há exatos dois meses e vinte e seis dias, fiz a mudança mais difícil da minha vida e aterrizei em São Paulo.

Por causa das minhas muitas mudanças de cidade, de prédio, de escolas, eu virei uma expert em despedidas. Eu desenvolvi uma dificuldade muito grande (e triste) de criar laços, talvez por achar, no inconsciente, que os laços seriam desatados em breve. Por isso eu tenho poucos amigos, mas em compensação, eu tenho um elo com a minha família que é uma rocha, é um laço de mil voltas e selado com super-bonder. E é exatamente por isso que esta última despedida foi a mais difícil da minha vida.

Eu deixei pra trás o quarto arrumado, a roupa lavada, a comida feita, as contas pagas. Eu deixei a 600km todo o conforto, todos os mimos, as mordomias. Eu saí da zona de conforto e sair da zona de conforto, meu amigo, é a coisa mais complicada de se fazer. No entanto, depois que se faz, é encantador. É um mundo todo novo pedindo pra ser descoberto. Eu troquei a calmaria da cidade litorânea pelo caos de São Paulo. Troquei o caminho de 15 minutos do trabalho por um de uma hora e meia. Eu troquei os dias fazendo nada por dias de faxina. Eu troquei a praia e a brisa por poluição e buzinas. Há quem me ache louca, mas eu queria mudar, eu precisava mudar, eu precisava mexer a minha vida, eu precisava saber que eu conseguia cortar o cordão umbilical depois de 24 anos, eu precisa ir pra frente, eu precisava de algo maior.

A saudade não passa e já estou conformada de que ela nunca vai passar. Eu sinto falta todos os dias das conversas com a minha mãe, dos conselhos do meu pai, do carinho da minha cachorra e da companhia da minha irmã. Aqui em São Paulo, eu contei (e conto) com uma pessoa linda, maravilhosa e muito especial que abriu os braços (o coração, a vida e a casa) pra mim, que topou encarar a vida do meu lado, que resolveu trocar o singular pelo plural e me fez criar um laço que já tem hoje mais voltas que qualquer outro laço já feito com qualquer pessoa que não tivesse meu sangue. Uma pessoa que me acompanha, que me ajuda, que segura minha mão, que me acompanha, que me cuida e que me faz respirar em meio ao caos e sorrir ao chegar em casa.

O grande problema das pessoas é que, ao pensar em mudar, desistem ao pensar nas coisas que vão perder sem se flagrarem que estão olhando pelo ângulo errado. É pelo lado dos ganhos que se olha e é esse lado das vantagens que faz tudo ser mágico e faz tudo valer a pena.

Esse post era pra ser imparcial e apenas a favor das mudanças e acabou virando uma mini auto-biografia, mas o recado é esse. Mude, se deu vontade, mude. Se estiver ruim, mude. Se estiver cansado, mude. Mude sempre. E pra quem tem o medo que eu tive (e enfrentei) de sair da casa dos pais, saiba que nada muda. Que o porto seguro nunca desaba, que sua casa sempre será sua casa, que você sempre terá lugar pra voltar e eu arrisco dizer que minha relação com meu pai, ao menos, está mais próxima desde que me mudei. Hoje eu tenho duas casas e pessoas nas duas que eu amo e que eu sei que também me amam.

Mudar faz crescer, faz evoluir, amadurecer, abrir a mente, quebrar paradigmas, deixar preconceitos de lado e, principalmente, faz aumentar a auto-confiança. E a mudança, caso não der certo, ela não é irreversível, nunca é, nada é. Ficou ruim de novo? Muda de novo. E muda logo, não espere a hora perfeita, a cidade perfeita, o emprego perfeito, o salário perfeito, nada disso existe. A única coisa que você precisa pra mudar, é querer mudar.

E lembre-se: você não é uma árvore.