A delicadeza do som de Jéf

Álbum de Jéf Souza

Jef Souza além de músico, é publicitário, escritor e poderia estar nesse post aqui, caso o CD tivesse sido lançado em tempo. Na última sexta-feira, dia 31 de julho, o Jéf lançou o álbum “Interior”. Ele, que é de Três Coroas, interior do RS, foi o  vencedor do reality Breakout Brasil exibido pela Sony no ano passado. O César um dia foi fazer umas fotos no programa e voltou pra casa falando “tem um cara lá que é muito bom” e, desde então, começamos a ver e ouvir o trabalho de Jéf e a torcer por ele.

O CD, que pode ser encontrado nas principais plataformas digitais (iTunes, Rdio e Spotify), foi lançado pela Sony Music Brasil e produzido por Lucas Silveira da banda Fresno. Lucas, inclusive, participa de uma das faixas, a 7, “rema e acredita”.  O nome do álbum faz todo sentido, ouvir as 10 músicas em looping é experimentar o conforto da calmaria do interior enquanto Jéf transforma em música o que acontece dentro de seu interior. Sou péssima em rotular músicas para os outros, já que as músicas no meu mundo se dividem somente em boas ou ruins. Jéf faz música boa, muito boa, classificado pela gravadora como indie folk, já não sai mais do fone de ouvido.

Até tentei  pensar na preferida, mas é muito difícil! Talvez seja “Quando você voltar” porque é uma fofura muito grande, dá vontade de ficar cantarolando o dia inteiro: “E quando você voltar eu vou estar te esperando parado na porta com um sorrio de ponta-a-ponta… E eu não vou arredar o pé enquanto eu não te ver”.

Enfim, façam esse favor a si mesmos,  ouçam o disco e se apaixonem! ❤

Segue lá também: Instagram | Facebook | Twitter

Para ouvir: eles estão apaixonados!

Que semana feliz pra música!!!! Eu sou fã do Spotify e tenho dificuldade de  lembrar da vida antes dele… Essa semana foi especialmente boa por lá, 3 produtos nacionais, 3 álbuns lindos e vários homens aparentemente apaixonados. Gostosura ouvir os sons apaixonados de corações derretidos, seria injusto não compartilhar isso com o mundo, então resolvi tirar a poeira daqui pra levar amor pra vocês , <3.

cds

01. Esperanza: Eles eram Sabonetes, entraram em uma nova fase e viraram Esperanza no último disco, continuam Esperanza, mas Sabonetes veio visitá-los nesse novo álbum, o “Z”. Eles são de Curitiba (hoje estão em São Paulo), os vi algumas vezes no Sláinte Irish Pub na capital paranaense e anos depois, eles marcaram o início do meu namoro… A primeira roubada que me meti com o Guto foi ir pra estrada com eles, depois foram muitas outras roubadas, mas o som deles marcou pra sempre aquele 2011 e a minha vida. Destaque para as faixas: Perto de mim (1), Vem pra ficar (6) e Constelação (3).

02. Tiago Iorc: há alguns anos já fiz um post sobre ele aqui no blog, quando ele lançou o Umbilical. Depois de dois álbuns cantando em inglês e um misturando o português e o inglês (álbum Zeski), veio o fresquinho “Troco Likes” que assim como o CD do Esperanza, tá transbordaaaando amor e até os corações mais durões vão se derreter. Iorc dispensa comentários, eu adoro a sinceridade com que ele canta, é impossível não se render ao som dele. Destaque para as faixas: Amei te ver (2), Coisa linda (6) e Liberdade ou Solidão (9).

03. Zé Pi: que descoberta maravilhosa!!!! Mês passado ouvi a música dele pela primeira vez em uma rádio em Balneário Camboriú, gravei a música no gravador do celular e fui à caça do autor da música pela internet, mas sem sucesso. Pra minha surpresa, ele lançou o  CD “Rizar” essa semana e ele finalmente revelou-se pra mim quando o Guto estava ouvindo os lançamentos da semana no app de streaming da Apple! Estou apaixonada por esse álbum, as letras, as melodias, a voz, é o casamento perfeito e, mais uma vez, corações derreterão. Destaque para as faixas: Fique à vontade (1) – essa foi a que ouvi no rádio e me apaixonei, Gosto de você (6) e Depois (8) – essa tem a participação de Tulipa Ruiz.

esperanzatiagoiorczepiBom domingo a todos! ❤

Segue lá também: Instagram | Facebook | Twitter

As fotografias de Serge e Jane

Serge Gainsbourg, francês, era ator, diretor, escritor, cantor, compositor, viciado em álcool, cigarro e mulheres, não era exatamente bonito, mas era um conquistador! Morreu em 1991, aos 62 anos, vítima de um enfarto. Dentre seus romances que passaram até por Brigitte Bardot, o mais documentado foi o romance com  a atriz e também cantora inglesa Jane Birkin. Jane e Serge foram casados, a relação durou 12 anos, começou quando ela tinha 22 anos e ele 40. Talvez tenha sido o relacionamento mais fotografados, eles foram ícones dos anos 70 e referência liberal para quem viveu naquela época, chocaram muita gente com seus ensaios sensuais e músicas ousadas. Não tem como não babar no acervo dos dois, para quem não conhece, resolvi dividir um pouco as que eu mais gosto.

Para quem quiser saber um pouco mais da vida desse francês bon vivant, o filme “O Homem que amava as mulheres” é inspirado em sua história, trailer aqui pra quem se interessar. O dueto clássico dele com Jane é Je T’aime… Moi Non Plus, um clássico que causou muita polêmica quando foi lançado por causa dos gemidos:

As fotos do casal foram em sua maioria feitas pelo irmão dela, o Andrew Birkin que lançou ano passado o livro Serge & Jane: a family album, ainda não foi lançado no Brasil – espero que venha logo, é um livro que eu estou louca pra ter, são mais de 1000 fotografias deles!!

Pra finalizar o post que já está bem extenso, um pouco deles em família:

O que acharam? Já conheciam eles? Quem gostou, curte aqui: hrnmnk.com