a arte de ser mais ou menos

Quase 32 anos me sentindo mais ou menos. Ah, é isso… uma amiga mais ou menos, uma namorada mais ou menos, uma aluna mais ou menos, uma filha mais ou menos, uma profissional mais ou menos, uma irmã mais ou menos, uma chefe, mais ou menos, um ser humano mais ou menos que faz coisas mais ou menos.  E o que é doido: quase orgulhosa por ser mais ou menos, porque em um mundo de tanta tanta gente menos, não preciso ser mais! Mais ou menos resolve, passa na média.

Nunca fui a mais feia da escola, mas muuuito longe de ser a mais bonita, era a mais ou menos. Sempre entreguei meus trabalhos, mas sempre com aquela sensação de que entreguei mais ou menos. Não sou super engraçada, mas tenho lá meu senso de humor… mais ou menos engraçada. Na hora de me vestir, não sou cafona, mas não sou estilosa, sou mais ou menos. Nem alta ou baixa eu sou… nem magra ou gorda, nem meu olho é claro ou escuro. É tudo mais ou menos mesmo. Tenho um gosto mais ou menos bom, sou mais ou menos legal, sou mais ou menos uma boa companhia. Sou mais ou menos organizada, tirei notas mais ou menos na escola e na faculdade, entrego mais ou menos bons projetos. Longe de ser medíocre, mas nada perto de ser brilhante.

ilustração: Liza Rusalskaya

Vivi confortavelmente até aqui sendo essa coisa nada demais, mas me preocupando com a hora que vou me encher o saco e querer desesperadamente ser incrível em algo. Sabe? Uma sensação de que eu fui sensacional em algum momento. Esse sentimento de ser mediana hoje não é um problema, é um lugar confortável e que me permite observar… e mudar. Quando uma pessoa mais ou menos muda, ninguém se choca, é ótimo! E eu não preciso explicar muita coisa pra ninguém. Eu gosto desse lugar, mesmo! Por enquanto eu gosto. Nele eu não surpreendo muita gente, verdade, mas eu também não decepciono. É aqui no meio termo que eu vou vendo onde queria ser melhor e vou tentando. Tentando ver o copo meio cheio aqui: quem é nota 7, tem várias chances de melhorar. Quem é nota 10 só pode piorar.

Claro, muitas vezes na minha vida encontrei pessoas na vida pessoal ou profissional que me disseram que fui incrível. Discordei convicta! Essas pessoas estavam erradas, eu só tinha sido mais ou menos. De novo. Muita dificuldade em receber um elogio que me tirasse da média. A vida toda. Passei também por momentos em que disseram que fui ruim em algo que eu me achava mais ou menos? Sim também. Discordei também. Poxa, ruim não… eu fui só mais ou menos.

Eu não tô reclamando, nem pedindo elogios. Eu reconheço várias das minhas qualidades e dos meus defeitos, tá tudo bem quanto a isso. Não sou uma sabotadora de mim mesma, eu só tô aqui transitando livremente entre o patético e o impressionante e sendo o que eu quiser. Quase sempre longe dos holofotes porque as pessoas gostam mesmo é de falar da vida de gente escrota e de gente foda, ninguém perde tempo comentando vida de gente mais ou menos. A liberdade do mais ou menos é maravilhosa e eu aproveito ao máximo! Vou, volto, insisto, desisto, mudo, ouso, fico, questiono, melhoro, pioro e vou caminhando pra onde eu quero ir, se é que eu sei pra onde quero ir.

Um dia eu devo acordar com a sensação de ter sido ou feito algo incrível, mas enquanto isso… sigo no conforto de ser incrivelmente mais ou menos.

Segue lá também: YouTube | Instagram | Facebook | Twitter

 

16 comentários sobre “a arte de ser mais ou menos

  1. Ingrid Wolff disse:

    Sempre me senti assim também, mas ao contrário de você, me sentia mal por isso. Obrigada pelas palavras, com o tempo a gente aprende a ser a gente e aceitar nossa caminhada ❤️.

  2. Pensamentos em Vida disse:

    Que bom você estar de volta por aqui. Acho que todo mundo se sente meio mais ou menos e acredito que se sentir assim é o que nos permite permanecer na evolução. Sabemos que há mais e é isso que nos faz crescer. Parabéns pelo texto. Ele é simples mas extremamente profundo, fala com todos que passam por ele, com certeza.

  3. Mariana Abbate disse:

    Ai Hari, sempre sendo maravilhosa e tocando as pessoas! Me identifiquei tanto com esse texto, obrigada por fazer as pessoas não se sentirem sozinhas independente da situação! Você é uma pessoa “mais ou menos” bem daora. 💛

    (Não para de escrever, teu blog é INCRÍVEL)

  4. Brisa disse:

    Hari, me senti assim por diversas vezes, ou melhor, na maior parte do tempo. Mas esse situação não seria um zona de conforto que nos impede de evoluir e crescer ? As vezes me incomodo com essa pergunta e tenho a sensação de que não estou entregando o meu melhor.

  5. Larissa Oliveira disse:

    Te acho uma mulher incrível e me inspiro muito em você. Adoro entrar no seu Instagram e ver seu conteúdo, é estilosa, inteligente e faz questão de tentar ser um diferencial na vida de alguém. Você é demais!!

  6. Nathalia disse:

    Estou fazendo um detox de redes sociais justamente porque estava me considerando “mais pra menos” em vários aspectos da minha vida. Resolvi priorizar o que interessa.
    Numa dessas, minha melhor amiga me envia seu texto dizendo que você voltou a publicar no blog.
    E isso é uma das coisas que eu considero relevante de parar e ler. Obrigada por tanto! Um beijo

  7. Eduane disse:

    Amei o texto e me identifiquei em algumas partes, mas como até já disseram aqui, também me senti mal por ser mais ou menos em alguma coisa e não dar o meu máximo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s