Pretty hurts.

Quando eu tinha uns 11 anos, eu era bem gordinha, assim como na maioria dos anos que vivi até hoje. Eu estava super apertada pra passar em matemática, era fim de ano e eu precisava de um 10 pra passar. Eu fiz algumas aulas particulares e estava com a matéria afiadíssima, na última aula o professor me deu um papai noel de chocolate e pediu que eu o comesse antes da prova porque estimulava o raciocínio. No dia da prova, 5 minutos antes de ir pra sala, me tranquei no banheiro e, sentada no vaso sanitário, comi o chocolate. Eu me escondia pra comer por medo de ser alvo de piada, não queria ninguém apontando pra mim e dizendo “olha lá a gordinha comendo!”

Eu tinha 11 anos, mas a cobrança pela aparência começou muito antes e nunca mais acabou. Assim é pra todo mundo e eu odeio que assim seja, ontem vi um diálogo em que uma menina dizia que era muito baixinha (1,60m) e que o ideal para ela seria pesar 35kg. Gente, 35kg é o peso da minha mala em uma viagem mais longa (pelo menos na volta). Isso me deixa triste, a cobrança pela perfeição é uma doença, um câncer, enlouquece pessoas sãs e esvazia pessoas inteligentes. A cobrança pelo visual é uma ameaça às novas gerações, mais do que foi a qualquer outra. Outra coisa que me deixou bem impressionada e contra essa ditadura toda foi o caso da Andressa Urach que, ao ceder aos padrões irreais que foram estabelecidos, se sujeitou a procedimentos insanos pra engrossar as pernas e está na UTI há quase 20 dias por complicações decorrentes da vaidade sem limites… Triste.

Eu tô aqui escrevendo e dividindo meu segredo de infância com vocês porque acabei de ouvir, mais uma vez, a música Pretty Hurts da Beyoncé, toda vez que a ouço, fico encucada. Eu fico inquieta porque eu odeio minhas pernas tortas, meus cabelos brancos, meu peso sempre acima do que dizem “ideal”… E me amar acima disso tudo é um exercício diário, eu até que consigo, mas sei que muitas e muitas e muitas pessoas não conseguem. Por isso, querida dividir com quem não conhece, a tal da música. Acho o combo música+clipe um soco no estômago e um chacoalho na mente:

Eu colocaria a letra original, mas ninguém é obrigado a falar e entender inglês, por isso já vou colocar direto a tradução:

Mamãe dizia, “Você é uma menina bonita”
O que você pensa, não importa
Escove seu cabelo, corrija os dentes
O que você veste é o que importa

Apenas mais uma etapa
O concurso manda a dor embora
Desta vez, eu vou levar a coroa
Sem cair no chão, no chão

A beleza dói
Brilha a luz sobre o que é pior
A perfeição é um vício da nação
(A beleza dói, a beleza dói)
A beleza dói
Brilha a luz sobre o que é pior
Estou tentando consertar algo
Mas você não pode consertar o que você não pode ver
É a alma que necessita de cirurgia

Cabelo loiro, peito liso
A TV diz que maior é melhor
Praia do Sul, sem açúcar
A Vogue diz que
Mais magra é melhor

Apenas mais uma etapa
Em um concurso a dor foi embora
Desta vez, eu vou levar a coroa
Sem cair no chão, no chão

A beleza dói
Brilha a luz sobre o que é pior
A perfeição é a doença de uma nação
(A beleza dói, a beleza dói)
A beleza dói
Brilha a luz sobre o que é pior
Tentando consertar algo
Mas você não pode consertar o que você não pode ver
É a alma que necessita de cirurgia

Não é nenhum médico ou terapêutico que pode tirar a dor
A dor está dentro
E ninguém te liberta de seu corpo
É a alma, é a alma que precisa de cirurgia
É a minha alma que precisa de cirurgia
Sorrisos de plástico e negação só pode levá-lo para longe
E você quebra quando assina os papéis no escuro
Você deixou um espelho quebrado
E os cacos de uma menina bonita

A beleza dói
Brilha a luz sobre o que é pior
A perfeição é a doença de uma nação
(A beleza dói, a beleza dói)
A beleza dói
Brilha a luz sobre o que é pior
Tentando consertar algo
Mas você não pode consertar o que você não pode ver
É a alma que necessita de cirurgia

Quando você está completamente sozinha
E deitada em sua cama
A reflexão começa dentro de você
Você está feliz com você mesma?
É apenas uma forma de mascarar
A ilusão foi derramada
Você está feliz com você mesmo?
Você está feliz com você mesmo?
Sim
Ah, ah

Pra completar o post, deixo vocês com uma música super alto astral da Meghan Trainor que está longe de ser miss USA, mas que se diverte e adora não ser o que os outros esperam que ela seja:

Sim, é bem claro, eu não visto 38
Mas eu posso me sacudir, me sacudir, bem
Como eu deveria fazer
Pois eu tenho aquela coisa
Que todos os meninos procuram
Todas as gostosuras nos lugares certos
Eu vejo o trabalho das revistas
Com o photoshop
Sabemos que aquela merda não é real
Vamos agora, faça isso acabar

Se você tem beleza beleza apenas
Se erga
Porque cada centímetro de você é perfeito
De baixo até o topo
Sim, a minha mãe, me disse
“Não se preocupe com o seu tamanho”
Ela diz, “Os meninos gostam de um pouco mais de bunda
Para segurar à noite”
Você sabe que eu não serei nenhuma
Boneca barbie siliconada
Então, se é disso que você gosta
Então vá em frente e mexam-se!

Porque você sabe que eu sou mais um corpo violão
Um corpo violão, não um tipo flauta
Sou mais um corpo violão, um corpo violão, não tipo flauta
Sou mais um corpo violão, um corpo violão, não tipo flauta
Sou mais um corpo violão, um corpo violão

Eu estou trazendo as bundas de volta
Vá em frente e avise as
Vadias magrelas, hey!
Não, eu só estou brincando, eu sei que você
Pensa que está gorda
Mas eu estou aqui para dizer-lhe que
Cada centímetro de você é perfeito
De baixo até o topo!

Sim, a minha mãe, me disse
“Não se preocupe com o seu tamanho”
Ela diz, “Os meninos gostam de um pouco mais de bunda
Para segurar à noite”
Você sabe que eu não serei nenhuma
Boneca barbie siliconada
Então, se é disso que você gosta
Então vá em frente e mexam-se!

Espero que a reflexão seja diária assim como é pra mim… Só a gente pode convencer a gente mesma que a gente não precisa ser o que querem que a gente seja. Só a gente ter o poder de ser e querer ser muito mais que um manequim 36, uma pele impecável e um cabelo perfeito. Ah, a tradução peguei direto do Vagalume, ok? 🙂

Cafeína em “Cadê o meu café?”

Uma amiga semana passada me mandou uma ilustração sobre a bolsa de uma paulistana, me identifiquei tanto, gostei tanto e achei tão delicado que fui buscar mais sobre a autora e, então, todo um mundo de Cadê o meu café me foi apresentado. Pri Ferrari criou a personagem Cafeína pra expressar sentimentos através da arte e a vontade que tenho é de colocar todas as ilustrações dela aqui. Estou apaixonada ❤ selecionei as ilustrações com que me identifiquei e ó: foram muitas!

louça beyoncelimpeza

calor cade_o_meu_cafe_tpm pensando

cade_o_meu_cafe_exageradocade_o_meu_cafe_planetacade_o_meu_cafe_vidascade_o_meu_cafe_amorComo não se apaixonar pela Cafeína?