The Little Black Jacket

A exposição famosa da Chanel que já passou por NY, Milão, Paris, Londres, Tóquio e mais um monte de outras grandes cidades,  aponta aqui em São Paulo no dia 31 de outubro na Oca do Ibiapuera. São fotos de mais de 100 mulheres posando com o famoso casaqueto da Chanel. O projeto do Karl Lagerfeld tem brasileiras como Laura Neiva e Alice Dellal. Todas as fotos em preto e branco e com mulheres lindas e totalmente diferentes entre si. Um show de bom gosto!

 

 

Marquem na agenda, hein?

 

Isso também vai passar

Depois de uma sequência de dias cinzas – não só no âmbito visível – nada como dormir ensopando o travesseiro de lágrimas, acordar adiando o despertador e deixando compromissos pra depois. Nada como terminar mais um livro da sua escritora preferida, ouvir elogios de desconhecidos. Nada como um café bem forte, uma maquiagem diferente, uma roupa colorida e um perfume fresco. Nada como um dia de Sol com vento frio, seu cantor preferido no som do carro, sapato confortável… Nada como dizer não sem peso na consciência, nada como aceitar-se como é. Sou assim, diferente da maioria das pessoas que conheço, sem paciência pra pessoas pobres de espírito e, por isso, cada vez mais sozinha. Acordei repetindo “paciência” mentalmente como se fosse um mantra e lembrando da frase feita dos consolos da minha mãe de quando eu era pequena: antes só que mal acompanhada.

C’est la vie!

Ó o recalque!

É um tal  de “recalque” pra cá, “recalque” pra lá… O que é isso? Por que isso agora? Quando foi que não gostar de algo ou alguém virou sinônimo obrigatório de inveja? Cadê meu direito de não gostar e reprovar coisas e pessoas? Quando foi que todo mundo ficou tão seguro de si ao ponto de ignorar todas as críticas acreditando ser recalque alheio? Pois bem, se hoje alguém me mandar um recado me chamando de gorda, eu vou ser obrigada a concordar e não vou achar que tem alguém com inveja dos meus quilos a mais. Se me xingarem dizendo que esse meu texto ficou um lixo, vou aceitar. Afinal, que obrigação as pessoas têm de concordar comigo? Nenhuma. Essa segurança toda me assusta. É claro que eu sou super a favor de uma boa auto-estima, de uma dose generosa de segurança, mas existe um teto, existe um limite. Não, não acho que as pessoas estejam precisando baixar a cabeça para todas as críticas, mas não se pode ignorar assim por completo. A consciência da imperfeição é a mãe da evolução. Como alguém vai evoluir, vai melhorar, vai amadurecer se não levar a sério qualquer coisa negativa dita a seu respeito? Falta humildade para reconhecer erros e falta muita sabedoria pra encarar os erros de frente e usá-los para melhorar. Tem algo estranho no ar, isso me dá um medo absurdo, a gente já vive em um mundo extremamente individualista e todo esse amor próprio só coloca ainda mais em risco os relacionamentos humanos, não há mais meio termo, não há mais humildade, não há mais ninguém admirando a arte de ser imperfeito. Por favor, lidem com o fato de que você não vai agradar todo mundo, que você não é tão importante assim a ponto de provocar inveja em toda a nação e, principalmente, com o fato de que uma crítica pode ser sua chance de ouro para se tornar uma pessoa melhor. Se ame, se ame muito, mas se ame ao ponto de querer sempre ser melhor pra si mesmo, não ultrapasse a linha, não se encha de si, não se coloque num patamar acima de todos os outros mortais. Seus erros são muitos, os meus também e a partir do momento que você chamar os seus erros apontados de recalque, você vai ter ficado pra trás porque dos meus erros eu tenho feito evolução. Amar demais pode ser fatal e você corre um sério risco de virar uma pessoa insuportável em pouquíssimo tempo – e cheia de recalque.