Para uma boa vida

c580b36431eb11e2b62722000a1fbc10_7Não que seja tudo super fácil e que a vida seja um episódio dos Ursinhos Carinhosos, mas algumas coisas simples podem ajudar a gente a levar uma vida um pouquinho mais leve e também fazem com que sejamos companhias mais agradáveis. Pagar as contas em dia, fazer as coisas bem feitas, gastar menos que ganha, agradecer, perdoar e guardar segredos fazem com que a gente fique um pouco mais em paz com a nossa consciência.

Presentear sem data especial, sorrir mais, olhar no olho, tratar os outros como gostaria de ser tratado, elogiar, ter aperto de mão firme, dar segundas chances, ser humilde e evitar decisões com cabeça quente nos ajudam a ser pessoas mais agradáveis de se conviver.

Ainda estou precisando melhorar em vários quesitos, mas minha meta principal de vida agora é me tornar uma pessoa mais leve (nos dois sentidos hahaha). Se todo mundo se propusesse a mudar um pouco e a se tornar pessoas menos inconvenientes, o mundo estaria um tanto melhor!

Boa sexta-feira e bom fim de semana pra todo mundo!!

Wishlist: tênis

Ando me apaixonando por um tênis diferente a cada ia ao shopping. Eu sempre gostei muito de tênis e sempre foi o calçado que mais usei, mas dei uma parada de comprar tantos depois que comecei a trabalhar, já que no trabalho só posso usar tênis nas sextas-feiras.

Acontece que nos últimos tempos, eu ando louca pra comprar todo tênis que vejo pela frente e já tenho uma lista!!! Ou eu me reapaixonei por eles ou as marcas tão mandando muito bem no design deles.

Eu acho todos os tênis (que são meio sapatênis) da Osklen maravilhosos e sou apaixonada por calçado vermelho, então era óbvio que esse entraria pra lista no mesmo segundo que eu tomasse conhecimento da existência deles.

O amarelinho e o preto são da Santa Lolla. A marca sempre foi uma das que eu mais gostei de sapato, acho as sapatilhas deles lindas e do ano passado pra cá, entraram na onda do tênis e tão mandando muito bem!

Gente, o terceiro. Um Converse All-Star de paetê!!!!!!!!!!! Dispensa comentários. Uma roupa preta e ele no pé e pronto, glamour confortável! hehe

Eu namoro esse Superga branco há séculos e eu não tenho a menor ideia do que eu estou esperando pra comprar, ele até que é baratinho, acho que são R$ 169,00. Aí aposta quanto que no dia que eu resolver comprar, ele vai ter sumido das prateleiras? Sempre assim. Tênis branco é obrigatório em qualquer armário, apesar de sujar e depois de lavar algumas vezes, encardir, não pode faltar. Acho que já tive uns 10, eles quase são descartáveis…

Meu lado perua responde pelo nome de oncinha. Eu costumo gostar de detalhes de oncinha, acho que jamais usaria um vestido com a estampa, por exemplo, mas acho demais saber misturar ela com o básico.

E o preto da Adidas vi esses dias na vitrine de um shopping e eu acho linda a combinação preto+dourado e os zíperes deixaram ele diferente, lindo!

Bom, acho que deu pra notar que eu tenho uma tendência aos canos médios/altos, né? É inevitável, meus olhos sempre vão direto neles, acho charmoso. 🙂

Look do dia #1

Inaugurando a tag com a participação de vocês com os looks que vocês estão me mandando no hrnmnk@gmail.com 🙂 Tô adorando! Vou postar de dois em dois pra não cansar e vocês não chegarem nos últimos de saco cheio, ok?

O primeiro look é da Bianca Garcia de São Sepé (RS) de 17 anos, amei a saia! Vistem ela no www.ligadanamoda.blogspot.com, o blog é super atulizado e cheio de informações pra quem gosta de moda. E tem o twitter também: @BiancaGarcia_

O segundo é da Maria Paula Martins aqui de São Paulo mesmo, pelo jeito não tem site, mas adorei! Eu sou suspeita porque adoro calça colorida (sabendo usar, claro) e ela combinou de um jeito que eu super usaria. Tenho uma bolsa de franjas muito parecida com essa… 🙂
E aí, o que acharam? Eu tô adorando, continuem mandando: hrnmnk@gmail.com 🙂

Ruby Sparks – A Namorada Perfeita

Assisti ontem a um filme que eu estava ansiosa para assistir.

Ele, Calvin, um escritor que anos após o sucesso de seu livro de lançamento está sofrendo de um bloqueio criativo e não consegue passar da primeira página – ainda em branco – do seu novo livro. Em um sonho ele encontra uma mulher que serve de ponto de partida para seu novo romance e, Ruby, a tal mulher dos sonhos, aparece cada vez mais frequentemente até que um dia se materializa na cozinha da casa de Calvin. Um misto de fantasia e realidade, onde os dois mundos se confundem e Calvin tenta descobrir se está louco, a medida que não quer que a fantasia acabe.

O filme que é dos mesmos diretores de Little Miss Sunshine – um filme que adoro – e tem como protagonista um ator que também participou do primeiro filme, parecia ser sucesso garantido e teria espaço garantido na minha lista de filmes preferidos assim como o Little Miss Sunshine, mas não foi bem isso que aconteceu. Eu não dormi nem nada, não fiquei pensando no jantar enquanto as cenas passavam, achei bonitinho, engraçadinho, mas não captei muito bem a mensagem, se é que o filme  tem alguma. Ao fim do filme que tem toda uma atmosfera indie que eu confesso adorar, Calvin fala as palavras “Falling in love is an act of magic.” e eu suspeito que essa seja a mensagem do filme, mas não é novidade alguma pra mim.

Das duas uma, ou o filme realmente é café-com-leite ou eu fiquei velha demais pra essas coisas.

Com amor

Uma imagem simples sobre o que é o amor. O amor está nos detalhes de quem cuida…

 

Recado!

Gente, aproveitem o fim de semana pra fotografarem os looks e mandarem pra hrnmnk@gmail.com como a gente combinou nesse post aqui. Semana que vem já quero fazer  o primeiro post! A enquete continuou aberta e agora foram 175 votos, 172 a favor e 3 contra. Ou seja, a maioria ainda quer ver vocês hehe

Estou esperando! 🙂

Beijos

A culpa é das estrelas.

Há três semanas, enquanto eu andava com meu namorado em uma livraria, vi a capa de um livro que me chamou atenção, virei pra ler e dizia assim:

“Não sou formada em matemática, mas sei de uma coisa: existe uma quantidade infinita de números entre 0 e 1. Tem o 0,1 e o 0,12 e o 0,112 e uma infinidade de outros. Obviamente, existe um conjunto ainda maior entre o 0 e o 2, ou entre o 0 e o 1 milhão. Alguns infinitos são maiores que outros… Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Eu queria mais números do que provavelmente vou ter.”

Coloquei embaixo do braço e disse: vou levar. Quis levar porque de algum jeito, eu me identifiquei com a forma de escrever e aquela meia dúzia de palavras e rodeios pra dizer algo sem dizer propriamente, me fez ter a certeza de que eu gostaria do livro.

Quem escreveu o trecho foi Hazel Grace, uma paciente terminal de câncer de 16 que luta contra a doença desde os 13. Com uma metástase no pulmão e dependente de um cilindro de oxigênio e um catéter, ela frequenta os grupos de apoio à portadores do câncer por insistência da mãe. Um dia ela conhece Augusto Waters, um menino bonito que não tirou os olhos de Hazel naquela tarde e que há um ano e meio havia se livrado de um câncer que lhe custou uma perna.

John Green, o autor, consegue envolver quem lê, é romântico de forma natural e nos afunda nessa história de amor que começou naquela tarde, um amor que desafia os limites entre vida e morte, um amor doce. Uma história cheia de aprendizados de vida para os personagens e pra quem lê. O livro é de dar risada e chorar a ponto de ter que fazer uma pausa pra se recompor. Lindo!!

***

– O.k. – ele disse, depois do que pareceu ser uma eternidade. – Talvez o.k. venha a ser o nosso sempre.
– O.k. – falei.
E foi o Augustus quem desligou

***

“Não dá para escolher se você vai ou não vai se ferir neste mundo, meu velho, é possível escolher quem vai feri-lo.”

***

“Eu me apaixonei da mesma forma que a gente pega no sono: devagar, e então de uma vez só.”

***

Algumas frases só pra dar um gostinho e embaixo o que mais acho lindo na leitura: a imagem que cada um faz do que lê. Encontrei alguns desenhos de leitores, alguns até se parecem com a Hazel e o Augustus que imaginei, mas a quantidade de desenhos que encontrei dos dois, só reafirma todas as minhas impressões do livro, é mesmo encantador e marca a vida de quem leu.